http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_01.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_000a.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_008a.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_02c.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_04.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_015.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_016.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_05a.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_03.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_020a.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/42_06.jpg

Concurso - Instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra - 1º prémio
Mafra, Portugal

2020-
com . P-06 ATELIER Nuno Gusmão

cliente · Câmara Municipal de Mafra / DGPC - Direcção geral do Património Português
equipa de projecto . Jacinta Fialho, Leonardo Semedo, Frederico Gonçalves

Curador – Dr. Fernando António Baptista Pereira
Consultor – Arqº Diogo Alvim

Visualização 3d - @1825
Fotografia – Eduardo Nascimento – do mal o menos
 
A instalação do Museu Nacional da Música num edifício que tem a música na sua
génese era a forma perfeita de potenciar a colecção existente com a sua ligação à condição de
Mafra como edifício- instrumento. Esta ideia que aparece pontualmente na história recente da
arquitectura, é já evidente nesta construção do séc. XVIII que incorpora instrumentos
complexos, como o conjunto dos órgãos e o carrilhão, para os quais foram produzidas
composições musicais específicas e exclusivas.

Esta ligação tem, para nós, tudo a ver com a ambição de um museu vivo, mais do que uma
mostra de objectos, um museu de experiência e pedagogia, que transmite a música nas suas
vertentes histórica e contemporânea, na exploração da física dos instrumentos e,
principalmente, na relação sensorial e na interacção com o fenómeno musical com um todo.
Esta intervenção tem a particularidade de ser um museu dentro de um museu. Ou seja o museu
nacional da música será um espaço de exposição que permite a descoberta dos conteúdos
musicais mas também a contemplação do magnífico edifício do palácio.

Assim, a proposta revela acima de tudo um sistema expositivo muito elementar, que dialoga
com o palácio na sua simplicidade e que procura ser muito flexível na sua apropriação,
dispondo as vitrinas, espaços de estar ou áreas interactivas de forma a libertar algumas áreas
de maior nobreza para um uso polivalente, para eventos musicais ou outros, que se podem
facilmente ligar aos restantes espaços do Palácio, promovendo, mesmo que pontualmente, a
leitura e usufruto total do Palácio, em todas as suas vertentes.