http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_02--fotomaqab.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_03--fotomaqbb.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_04--btvesquemasc.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_06--btvpiso-1b.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_05--btvpiso-0b.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_08--sala-leiturafinal-1.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_07--atrio-de-recepcaob.jpg
http://sitespecific.pt/files/gimgs/31_09--rampa-acesso.jpg

BIBLIOTECA MUNICIPAL E MUSEU DO BRINQUEDO DE TORRES VEDRAS

concurso aberto . 2º classificado
2016
com · PLCO ARQUITECTOS + VENTURA TRINDADE, ARQUITECTOS

paisagismo . BALDIOS
engenharia . PRPC engenheiros
design . P-06 ATELIER

A antiga ‘Casa Hipólito’ permanece como um dos exemplos mais representativos de um período da história de Torres Vedras em que o surgimento e expansão de algumas instalações industriais conferiu a esta malha urbana uma fisionomia muito particular, articulando edifícios de escalas e funções muito diversas numa curiosa hibridez entre produção, habitação, e devoção.
O edifício proposto tem como estratégia essencial promover a maior fluidez possível na relação com a envolvente urbana e com o quotidiano da cidade. O desenho do embasamento procura reconstruir os limites do antigo quarteirão, completando o plano de fachada nas ruas adjacentes e retomando a memória do largo que marcava o início do acesso ao Castelo, pela Judiaria. A existência de várias entradas em pontos opostos do conjunto permite continuar a utilizar o quarteirão como atravessamento pedonal na cidade, sendo o átrio o centro gravítico onde confluem todos os possíveis percursos. É um quarteirão invertido que se percorre pelo interior mais que ao longo da sua periferia. Que encurta distâncias na cidade. Que cria atalhos em direcção à cultura.
Sobre o embasamento é desenhado um terraço/ jardim que dispõe os volumes do museu, da biblioteca, e do auditório, com acesso a partir do átrio inferior, onde a vegetação permite mediar as novas construções com os edifícios confinantes. A sua cota elevada e a disposição tensionada dos volumes constroem novos enquadramentos visuais sobre o Castelo, e estabelecem relações próximas com a envolvente.
Entre reflexo e luz própria, entre indústria e cultura, os volumes dão continuidade à morfologia urbana envolvente, acertando cérceas, alinhamentos com as construções vizinhas, sem abdicar da sua contemporaneidade nem recusar o legado histórico e patrimonial que as antecedeu.